10/04/2020 / 2 anos atrás

Qual é o melhor desinfetante para superfícies?

Qual é o melhor desinfetante para superfícies?

O COVID-19, o novo coronavírus identificado na cidade de Wuhan, China, em dezembro de 2019, faz parte de uma família de vírus com aparência de coroa ou halo (corona). Conforme explicado no site do Departamento de Saúde da Virgínia, sete coronavírus humanos foram identificados atualmente:

Os tipos 229E, NL63, OC43 e KHU1 são bastante comuns e causam infecções respiratórias leves a moderadas, como o resfriado comum.

O SARS-CoV (Coronavírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave), descoberto na China em 2002, se espalhou para 26 países antes de desaparecer em 2003. Nenhum caso de SARS foi relatado desde 2004, em qualquer lugar do mundo. Como o nome indica, o SARS-CoV está associado a doenças respiratórias graves e teve uma taxa de mortalidade de aproximadamente 10%.

O MERS-CoV (Coronavírus da Síndrome Respiratória do Oriente Médio), descoberto em 2012, teve origem na Arábia Saudita e se espalhou para 27 países antes de ser contido. Como o SARS, o MERS causa mais infecções respiratórias graves que os quatro coronavírus comuns e tem uma taxa de mortalidade de cerca de 35%.

O COVID-19 (inicialmente chamado 2019-nCoV), desde dezembro de 2019, se espalhou para 127 países e regiões. Embora cause sintomas mais leves do que o SARS e tenha uma taxa de mortalidade muito menor do que SARS ou MERS, sua taxa de infecção parece muito mais acelerada.

Pode haver várias razões para isso. De acordo com descobertas preliminares, o COVID-19 pode permanecer no ar por três horas e sobreviver em superfícies de plástico e aço inoxidável por até três dias, facilitando sua propagação.

O Dr. especialista em armas biológicas Francis Boyle também acredita que o COVID-19 foi armado com as chamadas propriedades de "ganho de função", que permitem a propagação pelo ar de até 2 metros, algo maior do que o normal.

O COVID-19 parece afetar um número desproporcional de idosos; quanto mais velho você for, maior será sua suscetibilidade. Atualmente, a taxa de mortalidade do COVID-19 é estimada entre 3% e 6%.

Por ser um vírus encapsulado (o que significa que o RNA de cadeia simples está envolvido em uma bolha de moléculas lipídicas ou gordurosas), o COVID-19 (como todos os outros coronavírus) é altamente suscetível a sabões e desinfetantes, o que é uma boa notícia. Alguns desinfetantes são mais eficazes do que outros, e o foco deste artigo é qual deles.

Embora existam muitos desinfetantes químicos, vou me concentrar nos que estão mais disponíveis para uso doméstico. Você pode aprender mais sobre outros desinfetantes e agentes esterilizadores usados em instalações de assistência médica na página de desinfetantes químicos para controle de infecções do CDC dos EUA.

Desinfetantes à base de álcool

Os desinfetantes à base de álcool contêm álcool etílico ou álcool isopropílico em vários níveis de concentração (50% ou mais). Embora o álcool mate principalmente as bactérias, ele também possui uma poderosa atividade fungicida e virucida em concentrações acima de 60%.

De acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, acredita-se que a ação microbiana do álcool se deva à sua capacidade de desnaturar proteínas. O álcool etílico puro é menos bactericida do que o álcool misturado à água, pois a presença de água permite que as proteínas sejam desnaturadas mais rapidamente.

Quando se trata de vírus, diferentes álcoois são mais ou menos eficazes, dependendo do tipo de vírus em questão.

  • Álcool etílico — Desde que a concentração seja superior a 60%, o álcool etílico inativa com eficácia vírus lipofílicos, como vírus influenza, coronavírus e muitos (mas não todos) os vírus hidrofílicos
  • Álcool isopropílico — Embora mate vírus lipídicos, como o coronavírus, o álcool isopropílico é ineficaz contra enterovírus não lipídicos

Se estiver usando um desinfetante à base de álcool para inativar o coronavírus e proteger as superfícies da casa, verifique se ele contém entre 60% e 80% de álcool. De acordo com a Organização Mundial da Saúde:

“O álcool em concentrações de 60% a 80% é mais eficaz, e as concentrações mais altas são menos potentes. Esse paradoxo resulta do fato de que as proteínas não são desnaturadas facilmente na ausência de água...”

Além disso, embora os desinfetantes à base de álcool sejam altamente eficazes contra bactérias gram-positivas e gram-negativas, eles podem ser mais ou menos eficazes contra vírus, dependendo do tipo de vírus.

Eles são bastante ineficazes contra vírus não encapsulados (não lipofílicos), mas tendem a funcionar melhor contra vírus encapsulados, como é o caso do COVID-19. Tenha em mente que, para assepsia das mãos, sabonete e água morna é o mais eficaz. Só utilize antisséptico com álcool nas mãos se não puder lavá-las com água e sabonete.

Água sanitária

Os desinfetantes com cloro, como a água sanitária de uso doméstico, que normalmente contém hipoclorito de sódio em concentrações de 5,25 a 6,15%, têm ampla atividade antimicrobiana e matam bactérias, fungos e vírus com eficácia, incluindo o vírus influenza. No entanto, tem várias desvantagens biológicas. A água sanitária, por exemplo:

Pode irritar as membranas mucosas

Decompõe-se, formando gases mortais quando exposta ao calor ou à luz

Pode danificar algumas superfícies domésticas

Pode ser altamente reativa se misturada com outros produtos químicos. Nunca misture água sanitária com outro produto, pois pode haver a formação de gases mortais. Sempre verifique se há uma boa ventilação no local. Para evitar ferimentos graves ou morte, apresentamos alguns exemplos de produtos de limpeza que não devem ser misturados:

? Água sanitária e vinagre — formam um gás de cloro que é altamente irritante

? Água sanitária e amônia — formam um gás tóxico de cloramina

? Água sanitária e álcool — forma clorofórmio, um gás altamente tóxico

A água sanitária se degrada com o tempo, portanto, compre produtos de fabricação recente e evite estocar em excesso

Além disso, sempre dilua a água sanitária com água fria, pois a água quente a desativa, tornando-a ineficaz para a esterilização. O ideal é usar máscara e luvas no processo. Você também deve diluir o produto antes de usar. As orientações da OMS para prevenção de infecções e controle de infecções respiratórias agudas com tendência a epidemia e pandemia nos serviços de saúde recomendam a diluição da água sanitária contendo 5% de hipoclorito de sódio a 0,05% antes do uso.

O peróxido de hidrogênio e o peróxido de hidrogênio acelerado

O peróxido de hidrogênio, também conhecido como água oxigenada, tem a capacidade de matar ou inativar bactérias, vírus, esporos, leveduras e fungos. Uma lista de marcas de esterilizantes e desinfetantes liberados pela Food and Drug Administration dos EUA, que contêm 1% a 7,5% de peróxido de hidrogênio, pode ser encontrada no site da FDA. Conforme explicado pelo CDC:

"O peróxido de hidrogênio funciona produzindo destrutivos radicais livres de hidroxila, capazes de atacar lipídios da membrana, DNA e outros componentes celulares essenciais.

A catalase, produzida por organismos aeróbicos e anaeróbios facultativos que possuem sistemas de citocromo, é capaz de proteger as células do peróxido de hidrogênio produzido metabolicamente, decompondo o peróxido de hidrogênio em água e oxigênio. Essa defesa é sobrepujada pelas concentrações usadas para a desinfecção."

O peróxido de hidrogênio a 3% (água oxigenada 10 volumes) disponível no mercado é estável e eficaz para desinfetar uma grande variedade de superfícies. Ao contrário da água sanitária, o peróxido de hidrogênio é molecularmente muito semelhante à água — tem apenas um átomo a mais de oxigênio — e, portanto, não produz compostos perigosos ao se decompor. Sua segurança inerente (desde que não ingerido) o torna uma excelente opção para a higienização doméstica.

Uma alternativa ainda melhor é o peróxido de hidrogênio acelerado (AHP), vendido sob o nome comercial de Oxivir. Comparado ao peróxido de hidrogênio a 3% de uso farmacêutico, o AHP funciona muito mais rápido, de modo que você não precisa molhar a superfície por tanto tempo. Ele pode matar vírus em menos de 30 segundos. De acordo com a Solutions Designed for Health Care:

"O AHP® é composto de peróxido de hidrogênio, agentes de ação superficial (surfactantes), agentes umectantes (substância que reduz a tensão superficial de um líquido, fazendo com que o líquido se espalhe ou penetre mais facilmente na superfície de um sólido) e agentes quelantes (substância que ajuda a reduzir o teor de metais e/ou a dureza da água).

Os ingredientes estão todos listados nas listas de ativos inertes do EPA e da Health Canada e na lista de substâncias geralmente seguras (GRAS) da FDA. Todos os produtos químicos usados na formulação do AHP® são comumente encontrados em produtos de limpeza e desinfetantes de uso comercial e industrial."

De acordo com a Virox Technologies Inc. (fabricante do AHP), a Health Canada conferiu ao AHP o título de desinfetante para superfícies de escolha para instituições de saúde durante os surtos de SARS em 2003. No geral, o AHP parece ser um dos melhores e mais seguros virucidas de amplo espectro disponíveis.

Vinagre de malte e sabonete comum: os dois funcionam

Outro produto básico que pode ser usado para desinfecção do vírus é o vinagre de malte a 10% (feito de malte de cevada, que também é usado para fazer cerveja; uma segunda fermentação transforma a cerveja em vinagre).

Conforme observado no artigo de 2010, "Effectiveness of Common Household Cleaning Agents in Reducing the Viability of Human Influenza A/H1N1" (em tradução livre: A eficácia dos agentes de limpeza doméstica comuns na redução da viabilidade da gripe humana A/H1N1), publicado no PLOS ONE:

"Nossas descobertas indicam que é possível usar agentes comuns de baixa tecnologia, como água sanitária a 1%, vinagre de malte a 10% ou detergente líquido a 0,01%, para inativar rápida e completamente o vírus da influenza.

Assim, no contexto da pandemia atual, e especialmente em ambientes com poucos recursos, o público não precisa adquirir produtos de limpeza especializados, mas pode desinfetar rapidamente superfícies potencialmente contaminadas com agentes prontamente disponíveis na maioria das residências...

A água sanitária a 1%, o vinagre de malte a 50% e 10% e o detergente a 1%, 0,1% e 0,01% se mostraram eficazes na redução rápida de vírus viáveis abaixo do limite de detecção, enquanto uma baixa concentração de vinagre (1 %) não se provou mais eficaz do que a água quente sozinha…

Embora um forte agente oxidante, como a água sanitária, seja eficaz na redução da detecção do genoma e da infectividade do vírus, o pH baixo e o detergente são agentes virucidas igualmente eficazes.

Esses resultados também indicam que, embora o vinagre e o detergente quebrem as proteínas do encapsulamento viral, reduzindo a infecciosidade, apenas a água sanitária quebra o genoma viral."

O vinagre branco não é um bom desinfetante

Embora o vinagre de malte a 10% pareça ser eficaz o suficiente como desinfetante viral, o vinagre branco destilado com uma faixa de ácido ascético de 4% a 8% é uma escolha ruim, de acordo com o Talk CLEAN to Me, um blog de especialistas em desinfecção química para prevenção de infecções:

"…Os vários desinfetantes de ácidos orgânicos… normalmente não têm um amplo espectro de ação em comparação com os desinfetantes de alto nível, como a água sanitária e o peróxido de hidrogênio… Você pode estar pensando "Ei, espere! O vinagre e o ácido acético são utilizados há centenas de anos como métodos de desinfecção e higienização".

No entanto, é importante notar que eles só mostram força contra organismos relativamente fáceis de matar, como pseudomonas. Não há dados atuais que concluam que os ácidos orgânicos reforcem um amplo espectro de ação."

Como usar o vinagre com peróxido de hidrogênio em segurança

Em suma, o vinagre branco tem uma baixa velocidade de desinfecção (você teria que deixá-lo agir por pelo menos 10 minutos) e mata apenas os micróbios mais fáceis. Dito isto, você pode aumentar a eficácia do vinagre branco usando-o em combinação com o peróxido de hidrogênio.

Uma ressalva importante aqui é que você deve usá-los separadamente, não misturados, pois a reação química formará uma forma altamente corrosiva e instável de ácido peracético. Uma receita da Dra. Susan Sumner, reitora adjunta da Faculdade de Agricultura e Ciências da Vida da Virginia Tech, é oferecida pela Cleaning Business Today:

  • Despeje peróxido de hidrogênio a 3% (água oxigenada 10 volumes) em um frasco de spray e vinagre branco destilado (5% de ácido ascético) em outro. NÃO misture em um frasco, pois eles criarão uma forma instável e altamente corrosiva de ácido peracético
  • Limpe a superfície com água e sabão. Seque com pano limpo ou toalha de papel
  • Borrife o peróxido de hidrogênio ou o vinagre na superfície. A ordem não importa; apenas não borrife os dois ao mesmo tempo, pois sua mistura cria uma forma instável de ácido peracético
  • Deixe descansar por pelo menos cinco minutos antes de limpar com um pano limpo ou toalha de papel
  • Repita com o segundo frasco

Limpe primeiro, desinfecte depois

Se o seu objetivo é desinfetar e esterilizar, lembre-se de que você precisa limpar a superfície primeiro. Água e sabão provavelmente são as melhores alternativas aqui, pois o sabão vai inativar os vírus com eficácia.

Quando a superfície estiver limpa de sujeira, borrife o desinfetante escolhido e deixe agir por alguns minutos antes de limpar. O tempo necessário depende do desinfetante usado.

POST ANTERIOR

Conta pra gente o que achou!

1 comentário

16/04/2020 10:34

Luciene Rocha disse:

Amei o conteúdo de vocês. Bem didático e oportuno pro momento atual.

Deixe seu comentário

Comentário

Nome

E-mail

Quanto é 0 + 0?

NEWSLETTER

Digite seu e-mail

Não se preocupe, também não gostamos de SPAM :)